-> Buenos Aires – Colônia Del Sacramento – Montevidéu – Punta del Este

Por 4:00 PM , , , , , , , , ,

Nada melhor do que 9 dias de boas e bem aproveitadas férias merecidas viajando perto dos nossos vizinhos do Sul do País. 5 dias em Buenos Aires, 1 dia em Montevidéu, 1 dia em Punta del Este e 1 dia em Colônia del Sacramento. Dois países em 9 dias, nada mal.

Como fui em Julho, inverno, mas pelos comentários de outras pessoas que conversei por lá mesmo, esse inverno era como um verão. O clima nublado e o vento cortante marcaram o tempo que ficou com 9ºC na média e na mínima a 4ºC, faltou um cachecol, mas nada demais.

A cidade está repleta de turistas, 90% brasileiros, mas me dei muito bem com o meu espanhol. Via brasileiros falando em português e parece que sobreviveram, ou seja, a língua não é um problema.

Mas vamos ao que interessa. FreeShop, compre na volta, dê preferência ao FreeShop da Argentina, tem muito mais opções e é levemente mais barato que no Brasil, reserve 2 horas a mais no aeroporto para isso.



Buenos Aires é a Casa Rosada, Centro e seus pontos turísticos básicos. Primeira sugestão é sempre pegar um mapa da cidade. Pode fazê-lo já no desembarque, no Aeroporto de Ezeiza na Argentina. Troque dinheiro lá também, no Banco de la Nacion.

Quem mora em grandes capitais no Brasil, sentirá que lá é como uma grande capital, tem de tudo, mas a vantagem é que muitas das opções você encontra no centro da cidade. Diferente do que ocorre aqui, los hermanos argentinos mantém o centro da cidade relativamente ativo e na medida do possível “limpo” nos calçadões. Falando em calçadões, há dois, Florida e Llavale. Encontrará de tudo nessas ruas, incluindo a Galeria Pacífico, um Shopping no meio da cidade, tão caro quanto no Higienópolis de São Paulo. Mas lembre-se, Buenos Aires está mais barata que São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, que são as capitais mais caras do Brasil.

Veja como a Galeria Pacífico fica bonita a noite. Vale uma foto.



Ponto de parada obrigatório é o Caminito, uma mistura de feirinha do interior com as cores do Pelourinho. É um ponto turístico, ou seja tudo lá é caro. Mas fica no bairro La Boca, onde fica o estádio do Boca também. Horário seguro por lá é de 10 às 16 horas, fora isso, só se você for nativo de lá.

Fui de ônibus para o Caminito, o 29 para bem na rua do Caminito. Se informe nos centros de informações que eles lhes dão a dica de onde pegar esse autobus. Aliás, os ônibus tem caras de velhos, mas são moderninhos. Veja o caixa que tem dentro deles. Dependendo de onde vai, você paga mais ou menos. Então, se informe antes. Só aceitam moedas, ou seja, não fique dando esmolas por aí se você quiser andar de ônibus.

No metrô, o máximo que a bilheteria aceita são 2 pesos para troco, como as passagens custam 0,90 pesos, há sempre um pedinte do lado do guichê pedindo seu troco. Vi simplesmente um menino trocar 5 pesos em moedas em 10 minutos de “esmolação” no guichê!!!! Melhor que pedir dinheiro nos semáforos do Brasil.

Eficientes, os metrôs atendem super bem. Ou seja, dá para andar de ônibus e metrô e economizar para umas comprinhas básicas.



Há alguns bairros que você não pode deixar de visitar, como Palermo, Recoleta, San Telmo, San Martin (Centro), Puerto Madero. Em todos eles, uma bela caminhada dá para conhecer os principais pontos. Recoleta e Puerto Madero são boas pedidas para sair a noite. No primeiro o que não faltam são os barzinhos e no segundo, restaurantes.

San Telmo também possui barzinhos de happy hour. A foto ao lado é da Recoleta, ao lado da igrejinha fica o cemitério onde está a Evita Perón. Fui em um domingo e estava repleto de argentinos e turistas, recomendo.

Falando em Puerto Madero, quem já esteve em Belém do Pará e pode conhecer as Docas, se lembrará de lá quando estiver em Puerto Madero. Mas esta região de Buenos Aires ganha de longe das Docas de Belém do Pará. Caminhar por lá de dia, ao entardecer ou a noite é um convite para terminar com um bom vinho e uma bela comilança. Quase todos os restaurantes possuem o mesmo preço (o dobro que os outros lugares), então escolha um e aproveite, você está de férias!!!


Buenos Aires fica muito próximo do Uruguay, e o melhor caminho é indo pelo Rio de la Plata. Há 2 empresas que fazem isso, a Colônia Express ou o Buquebus. Fui de Buquebus, no ferryboat mais rápido. Nesta foto você pode ver as frotas que essa empresa possui, mas bem estruturada. A média de tempo de viagem até Colonia del Sacramento é de 1hora e 15 minutos. A sensação é de estar andando em um jipe bacana no meio de uma estrada de terra, balança de vez em quando, nada que enjoe. Olhe como ele é bacana, possui até um Freeshop modesto dentro dele e uma lanchonete.


Tivemos alguns problemas de atraso em função do tempo. Achava que só avião tinha esse problema, mas os barcos também. Resultado, chegamos 5 horas demais do que esperávamos à Montevidéu. Mas finalmente chegamos. E percebi uma coisa interessante. Quase não havia gente na rua. Me perguntava, como uma capital de um país não tem gente na rua. Explicação, todo o Uruguay tem por volta de apenas 3 milhões de habitantes. A população da grande Belo Horizonte cabe no país inteiro do Uruguay. Mas é tranqüila e ótima para andar também. Vale a pena dar uma volta na parte velha da cidade, nem precisa de informações, só perguntar para alguém no Centro. Aliás, não recomendo que fiquem no Íbis nesta capital, pois ele fica fora do que pode ser feito a pé em Montevidéu e a maioria dos hotéis fica no centro. Não são nada demais, mas há muitas opções.

Descendo a principal avenida de Montevidéu, você chegará a principal praça da cidade que divide a cidade nova com a velha. E um dos prédios bonitos que há no Uruguay é o Teatro Solis. Aliás, Argentina e Uruguay são lugares de arquiteturas européias muito bem conservadas.

De Montevidéu para Punta del Este, são 2 horas em média. Super tranqüilo. O Terminal Três Cruces em Montevidéu é bem servido, dá para pegar um mapa da cidade e comprar um lanchinho para a viagem. Mas se quiser, alugue um carro e faça tudo de carro. Como era inverno, baixa temporada, fiz um city tour para conhecer essa tão falada cidade. Como uma cidade de veraneio possui apenas 8 mil habitantes residentes, mas no último verão a cidade comportou 800 mil turistas.


Não vou nem fazer as contas, mas o que se vê são construções e mais construções de prédios gigantes ao estilo Barra no Rio de Janeiro e casas sem nenhum muro, como em Jurerê Internacional em Forianópolis ou nos Estados Unidos. Cidade muito bela, mas simplesmente vazia!!! Mas ainda deu para ver um leão marinho show de bola no píer da cidade.





Um pouco mais fora de Punta, mas perto de lá está a Casa Pueblo, um local que abriga um hotel e um museu do artista Carlos Paez Vilaró. Antes do Mudeu fechar, ao pôr do sol, toca-se um poema do autor, pena que estava nublado.






Saindo de Punta e Montevidéu, fiquei um dia em Colônia Del Sacramento. Uma cidade histórica tombada pela Unesco como patrimônio histórico da Humanidade. Ou seja, seja a pena. Uma cidade charmosa ao estilo de Tiradentes, mas mais conservada e turística. Dá para fazer tudo à pé e umas 4 a 5 horas está de bom tamanho. Pegue um mapa da cidade e faça seu passeio tranqüilamente.



De volta a Buenos Aires, nada melhor do que saborear os comes e bebes da cidade. Ao lado, uma foto do Café Tortoni, famoso pela sua antiguidade, mas nada demais. Possui dois ambientes para Shows de Tango, quam quiser, é uma alternativa para os caros “Cenas Tango” (Tango com jantar).

Falando em comida, nada melhor do que um roteiro gastronômico. Encontrei alguns turistas e quase ninguém teve sorte em comer na cidade portenha. Mas algumas dicas básicas. Quer arroz e feijão, espere quando voltar para o Brasil, assim como boa praticamente toda América Latina e Europa, a base do acompanhamento dos pratos em Buenos Aires e no Uruguay é a batata. Batata assada, frita, purê. Seja lá como for, é batata que você vai comer como acompanhamento. Como uma boa descendência espanhola, uns filetes de pimentões também não faltam. Mas como também são descendentes italianos, uma boa massa e pizzas é o que não faltam na cidade. Tomate é o que há por aqui. E claro a tão falada carne! Sim, são boas e sim, tive sorte! Hehehe. Mas a regra básica que adoto é não tentar comer nos restaurantes turísticos, prefiro os que só tenham nativos, com certeza irá comer bem e barato. No único restaurante que consegui achar assim, é daqueles que você sai de lá cheirando a gordura, mas o Bife de Chouriço estava fabuloso. Mas saiba que o Bife de Chouriço em Buenos Aires nada mais é do que o nosso contra-filé a diferença está no modo como cortam esse bife do boi. No Uruguay encontrarão com outro nome, “Entrecot”. Mas atenção, peçam “Bife” de Chouriço, senão terão que comer a lingüiça de Chouriço feita de sangue de boi que não aconselho a ninguém. A diferença nos bifes é assim, se você vai em um restaurante chic, o bife é grosso. Se vai no horário do almoço em um “buteco nativo”, o bife é da altura de um dedo e bem melhor.

Bom que mais além das carnes? Qualquer derivado do leite é show de bola. Leite, café com leite, chocolate, queijos. Não faça miséria, coma a vontade. O típico que encontrará aqui é a “media luna”, ou croassaint no Brasil. Tem a “Dulce” ou a de “Grasa”. A primeira parece um pão doce, a segunda, essa sim, um croassaint. O preço básico para um café da manhã é o famoso “café com leite com 3 media lunas”. Custa entre 6,50 a 12 pesos, vai depender de onde você vai comê-las. Prefira os lugares mais baratos, como os “Kioskos” que há em cada esquina. Ou faça como eu fiz várias vezes, vá a um supermercado (Carrefour, Disco) ou mesmo uma “Panaderia” e compre-as você mesmo por ¼ do preço que pagaria em um café.

O que não deve deixar de comer em Buenos Aires, Alfajor, café com leite, churros, bife de chouriço, pizza, media luna, queijos, qualquer vinho tinto, sorvete do Freddo de doce de leite com amêndoas, o melhor!

No mais é isso aí, aproveitem.

Você também poderá gostar de

6 comentários

Subscribe & Follow